domingo, 29 de março de 2009

::::Decifrando Conflitos Do Acaso::::

Fonte: troll-urbano.weblog.com.pt

.ok. preciso repensar minha atenção nessas possibilidades que surgem.

.senti isso ao visitar o perfil do falecido hoje. já que não consegui encontrá-lo online durante toda a semana, decidi deixar um depoimento. e não sei a razão, mas o orkut rejeita todos os meus scraps e depoimentos! aproveitei, claro, para dar aquela espiada. afinal, a curiosidade é maior do que qualquer outra coisa. e lá vejo um recadinho (recente!!) de um marombado lá da PQP agradecendo pela conversa e lamentando a distância.

.precisei de um minuto. senti-me no chão. um nada. mas logo veio a minha cabeça que apesar do contato e das palavras dele, não se estabeleceu nada ainda, portanto esse direito que apossa todo o meu ser não é válido, permitido, legal. embora exista, grite, dilacere, somente o silêncio acontece por fora.

.foi um tapa na cara. dos bons. para acordar um pouco. prestar atenção em outras coisas. pior que a vaga de emprego é na mesma cidade dele. decidi deixar o acaso determinar se nos encontraremos agora, daqui a um ano ou nunca. quis contatá-lo mas não consegui. então, se nos esbarrarmos pela internet, rua ou qualquer lugar daquela cidade, conversaremos.

.será que essa decisão minha em não colocá-lo contra a parede foi a mais correta (visto que pretendia um cara a cara para isso)? qual o limite que agora nos ronda se tudo envolve palavras soltas ao vento, promessas vagas e situações idealizadas? será que meu sonho em outra cidade corre risco de transformar-se em um pesadelo? se ele anda ciscando por ai, não aparece pra conversar comigo, mesmo depois de mostrar interesse, é uma vingança, um corretivo ou então só é um pouco de loucura da minha cabeça ciumenta-possessiva-obsessiva-romântica?

.abraço

8 comentários:

Dimas disse...

Muito cuidado, Du... Esse tipo de situação se disarça em interrogação, mas, as vezes, é um grande ponto final. Acho que você precisa sim colocá-lo contra a parede, AINDA MAIS agora. Mandará os fantasmas pra longe e te dará as certezas que você precisa. Uma delas, eu tenho:ele te blqoueou no Orkut. É o único jeito de os scraps não irem. Clicando "ignorar usuário"...
Abraço e sorte

Arsênico disse...

Olha quiridjo... se seus recados são rejeitados no orkut dele... significa que ele o ignorou... sim... ele não quer falar contigo... não por enquanto...

e talvez esse sentimento seja definitivo já que uma fez fiz a mesma coisa... e não quis mais vê-lo... acredito que seja a hora de seguir sua vida... e deixá-lo pra lá... e quanto ao trabalho na mesma cidade... tente não valorizá-lo mais do que deveria... pode levar um tapa maior ainda... não tenha expectativas...

***

FOXX disse...

odeio essas indecisões tb

Serginho Tavares disse...

porque visitou o falecido?
deixemos os mortos descansarem em paz!

Autor disse...

Acho que são perguntas retóricas que somente vc sabe a resposta, né?
;-)

O Pequeno Diabo disse...

aff

ele deve ter ignorado vc no orkut
pq p recado naum ir, só pode ser por isso

qt ao resto, q é o mais importante...
o melhor é deixar o destino determianr

ainda q seja dificil
eu e vc sabemos q logo essa decisão vai ser substituida pela decisaum d ligar p ele e bater papo

msm q naum leve a lugar nenhum
xx

Zephyr disse...

eu sei de uma coisa: orkut é só o veneno, por isso que sempre procuro evitar entrar e ficar procurar scraps e otras cositas mas !

;D

Mariah disse...

o bilhetinho que você deixou embaixo da minha porta bem poderia ser da minha mãe. de onde vc me conhece? como escreveste algo que penetra tão fundo em um estilo que eu nem sabia ter...mas, enfim, não é a primeira vez que fazes isso né?

me intriga sua escrita. sua forma de iniciar e acabar frases..."aos pontos"...como se fosse uma fala mansa...de alguém que foge de parâmetros...que tem coragem de começar uma frase com ponto final. como se desde o início já tivesse tirado todas suas conclusões.

adoro isso aqui...me faz bem saber que outros também têm um olhar diferente!

beijos e obrigada por não ter desistido de mim ainda.

mariah