terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

:::Observando Fórmulas Certas:::


Fonte: YouTube.

.ok. amizades são adoráveis elos imprevisíveis.

.comecei a pensar sobre isso lendo a entrevista com o ator Andy Samberg na revista Out sobre, entre outros assuntos, o filme "Eu te amo, cara" (esse cujo o trailer inicia o post - com estréia em março, nos Estados Unidos). nessa comédia, Paul Rudd está prestes a se casar com Rashida Jones, só que ele não tem nenhum amigo para ser o padrinho da cerimônia. então, para solucionar o problema, ele se vê enfrentando diversos "man-dates" (com os conselhos do seu irmão hétero-gay) até encontrar Jason Segel, criando uma amizade (sem segundas intenções!) que abala o relacionamento com sua noiva.

.independente de finais e sinopses (já que o desenrolar da trama ainda é desconhecida), pensei um pouco sobre essa questão de amizades. sei que grande parte acontece por afinidades. as circunstâncias variam muito, é verdade, mas o que sempre nos une é esse ponto em comum. e eu não fujo muito desse padrão...e de certa forma, é o que funciona muito bem.

.e por mais que eu tente uma "quebra", geralmente é incrível a dificuldade em ultrapassar barreiras. óbvio que a tarefa é árdua. em terreno desconhecido, onde nada é comum, reconhecível, um passo em falso é provável e talvez, já inibe a continuação. e jamais pensaria em adquirir hábitos, gírias, pensamentos de outros grupos (dos quais eu não concordo, claro) para uma tentativa de inclusão. fora isso tudo, existem também certas resistências minhas a alguns tipos (é, eu não sou o super simpático), mas não vou negar que já me surpreendi muito.

.será que estou com síndrome de agrada-a-todos?

.abraço.

7 comentários:

Mike disse...

Ahhh antes de mais nada, adorei a recomendação do filme, fora que eu adoro o Andy desde quando ele fazia o mike em Friends!

Não senti que vc está querendo aghradar todo mundo... na boa, todo mundo tem resistência a alguns tipos, quem se dá bem com todo mundo, tem algum Q de falsidade ali...

Vou voltar aqui mais vezes, abs!

Mago disse...

Olha só, eu sou uma pessoa que, quem me vê de fora, pensa realmente que eu sou o tipo de sindrome de agrada todos (estas pessoas que pensam isso de mim, claramente não me conhecem). Tenho amizade de todas as variedades e que curtem de tudo, eu deixo claro o que não gosto, mas mantenho a política de que, preciso conhecer para poder selecionar. Acaba que em todos os meios conheço coisas boas e ruins, até naquele que eu amo de paixão há coisas péssimas. Mas o que vale é o caráter e isso, não mudo em meus princípios. Resumindo, muitos conhecidos, alguns colegas e poucos amigos de verdade.

Autor disse...

Acho que amizades não tem fórmulas prontas, mas todas passam pela identificação.
Tenho amigos que eu odiei à primeira vista, mas que depois se mostraram muito queridos. E pessoas que olhei e amei de cara.
Vá entender.

FOXX disse...

oi...

bem, essa etiqueta existe mesmo
hehehe


agora, é realmente dificil fazer amigos, mas aqui parece q vc fica escolhendo as pessoas que vc pode vir a se tornar amigo, assim ainda fica mais dificil não é?

Leo disse...

Sou profissional dessas amizades! :(
Não são tão boas quanto parecem...
difícil ser muito amigos de homens hts, viu?
tem que ter uma cabeça muito boa... não é meu caso! rss Mas continuo tentando!
Gostei do blog!
volto mais!
abs

Arsênico disse...

Sou simpático demais até... as vezes isso me atrapalha muito... se meu santo bate com o da pessoa... e ela sorri pra mim... pronto... já me inturmo... viro amigo de infância... mas pisou na bola comigo... já era... descarto...

umBeijo!

***

Luan disse...

faço amigos com dificuldade. admito.

sou adepto da politica da má vizinhança.